Associação Brasileira de Criadores de Bovinos
Curraleiro Pé-Duro

 
HOME
A ASSOCIAÇÃO
SRGCPD
A RAÇA
PUBLICAÇÕES
NOTÍCIAS
EVENTOS
LINKS
CONTATO
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
  ÁREA DOS SÓCIOS
  Esqueceu
sua senha?
 
 Origem e História
Origem e
História
Situação
Atual
Distribuição
Geográfica
Padrão
Racial
Características
Raciais
Características da Carne

CURRALEIRO PÉ-DURO: ORIGEM, HISTÓRIA E POTENCIAL
José Herculano de Carvalho
sjpapc@yahoo.com.br

A raça Curraleiro Pé-Duro é descendente dos bovinos trazidos pelos portugueses no período colonial. No Nordeste, os dois principais portos de entrada de bovinos naquele período foram os de Salvador, na Bahia, e o de Olinda, em Pernambuco.

Como a Zona da Mata, próxima ao litoral e mais chuvosa, era destinada à produção de açúcar para exportação, os criadores de bovinos tiveram que se embrenhar pelo sertão semi-árido à procura de pastagens para seus animais. Seguiram o curso do rio São Francisco e de seus afluentes para estabelecer suas fazendas. E estas cresceram em número e prosperidade, tanto que o São Francisco foi cognominado “rio dos currais”. A famosa Casa da Torre, com sede na Bahia, e o mais importante estabelecimento de criação, alcançou, no Nordeste, uma área superior à de muitos países.

Indo além do São Francisco e de seus afluentes, os criadores atingiram o rio Parnaíba, no Piauí, e ultrapassaram-no, chegando ao Maranhão. Há também registros históricos de que animais de criação foram enviados do Maranhão ao Pará. Os bovinos do Nordeste também chegaram a Minas Gerais e ao Brasil Central. O Vale do São Francisco é o berço principal da raça Curraleiro Pé-Duro e seu grande centro de irradiação. A bacia hidrográfica do rio Parnaíba, incluindo o estado do Piauí, também teve uma grande importância na expansão desta raça.

Os bovinos descendentes daqueles trazidos de Portugal, submetidos a uma seleção natural rigorosa, foram, aos poucos, adaptando-se a condições de pastagens de baixa qualidade, de seca e de calor, além de ataques de parasitas e de doenças, resultando, depois de séculos, em animais de extraordinária rusticidade e adaptados a essas severas condições. Assim originou-se esta raça.

A raça Curraleiro Pé-Duro possui também outras qualidades: é dócil, sua carne é saborosa, o couro macio e resistente e o leite excelente. Segundo alguns criadores e técnicos é também muito menos susceptível a plantas tóxicas como o barbatimão (Stryphnodendron coriaceum) e a erva-de-rato (Palicouria marcgravii).

               O Piauí chegou a possuir o maior rebanho bovino do País, tornando-se um grande exportador de carne para outras regiões brasileiras e de couro para a Europa. Simplício Dias, um notável empreendedor do século XVIII, na cidade de Parnaíba, PI, abatia cerca de 30 mil bois por ano e possuía uma frota própria de navios para transportar seus produtos. E o gado Curraleiro  Pé-Duro era a base dessa pecuária. Não é de admirar, portanto, a importância que esta raça tem na história, economia, tradição e folclore do Piauí e de outros estados.

Com a expansão do zebu no Brasil, a partir do início do século XX, seus cruzamentos com o gado Curraleiro Pé-Duro e outras raças regionais resultaram em animais com notáveis características zootécnicas. Infelizmente, como a grande maioria dos criadores tinha escassos ou nulos conhecimentos de Genética, essa melhoria resultante dos cruzamentos foi atribuída apenas à presença do zebu  ( Camargo, 1984). E, assim, os cruzamentos absorventes foram empregados indiscriminadamente, quase extinguindo este notável recurso genético que é a raça Curraleiro Pé-Duro.

Então, mais uma vez, o Piauí deu uma importante contribuição para a existência desta raça. Em 1983, a atual Embrapa Meio-Norte, com sede em Teresina, implantou em São João do Piauí, PI, na zona semi-árida, o Núcleo de Conservação da Raça Curraleiro Pé-Duro. Nesse núcleo, os animais são mantidos em condições o mais próximo possível daquelas em que a raça se formou, com o objetivo de manter sua rusticidade. Seu rebanho atual é de cerca de 300 cabeças. Esse núcleo vem cumprindo seu papel, apesar das grandes dificuldades enfrentadas. Animais ou sêmen oriundos direta ou indiretamente desse rebanho já foram utilizados nas seguintes Unidades da Federação: BA, CE, DF, GO, MA, MG, PA, PB, PI e TO.

Além de seu extraordinário valor como recurso genético, utilizável para atender demandas futuras, que não podem ser previstas hoje, o gado Curraleiro Pé-Duro pode ter importância atual, empregando-se as seguintes estratégias:

a) Criação como raça pura, procurando-se manter sua rusticidade e selecionando-se os animais para um maior porte e as vacas para uma razoável produção de leite, para atender o consumo das famílias dos pequenos pecuaristas;

b) Cruzamentos com raças zebuínas, tais como a Guzerá, a Sindi, a Gir, a Nelore e a Indubrasil, visando obter animais de maior peso, adaptados a pastagens naturais, principalmente aos diversos tipos de caatinga, e com bons índices reprodutivos;

c) Cruzamentos com raças leiteiras como a Jérsei, a Holandesa, a Parda Suíça, a Guernsey, etc., para a obtenção de vacas resistentes ao calor e a uma alimentação de menor qualidade, além de maior produção de leite.

Nesses cruzamentos, o gado Curraleiro Pé-Duro será utilizado apenas como raça paterna, enquanto o número de vacas desta raça não atingir um número adequado. E, quando o número de vacas for suficiente, é necessário evitar-se uma grande desproporção entre o tamanho  das vacas e dos touros utilizados.

Deve-se salientar que animais produtivos e bem adaptados podem resultar de cruzamentos. A raça ovina Santa Inês, atualmente a mais fomentada no Nordeste, é produto de cruzamentos não controlados entre raça exótica (possivelmente a bergamasca) e nossas raças crioulas, com predominância da Morada Nova. E diversos resultados promissores foram obtidos por criadores em cruzamentos de Curraleiro Pé-Duro com Nelore, Gir, Holandesa e Jérsei, o que abre um vasto campo para experimentação nessa área .

É interessante frisar que, somente no Nordeste Brasileiro, existem cerca de 47,7 milhões de hectares de terras do grupo 5 de aptidão agrícola, ou seja, aproximadamente 31% do território regional, segundo levantamento do Ministério da Agricultura (1979). Essas terras do grupo 5, quando manejadas com baixo ou médio nível tecnológico, só devem ser utilizadas para silvicultura, pastagem natural ou para preservação ambiental, não sendo recomendável sua ocupação com lavouras ou pastagens cultivadas. A criação do gado Curraleiro Pé-Duro e de seus mestiços, pela sua resistência e adaptação, é uma das maneiras de utilizar essas terras de forma sustentável.

Em 14/12/ 2012, o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, por meio da Portaria nº 1.150/2012 reconheceu oficialmente esses bovinos como raça, com a denominação de Curraleiro Pé-Duro. Espera-se que essa decisão contribua para sua difusão e fortalecimento.

 

 
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ANUNCIE AQUI
ABCPD - Associação Brasileira de Criadores de Bovinos Curraleiro Pé-Duro
Rua Governador Artur de Vasconcelos nº 150, Sala 206. CEP: 64001-450
Teresina - PI. Tel: (86) 3226-1005 9982-5241.

panet - Soluções em Internet